Dicas para economizar dinheiro na gestão de obras e projetos

24 de Janeiro de 2018
A gestão de obras costuma sair mais caro do que o esperado – prova disso é uma pesquisa que mostra que
9 em cada 10 projetos de construção apresenta estouro no orçamento. Como gestor de projetos, você já deve estar
acostumado com essa realidade. Por isso, qualquer oportunidade para reduzir custos (ou ao menos mantê-los
sob controle) é bem-vinda.
 
No entanto, a economia de recursos pode estar em atitudes e mudanças mais simples do que você imagina, e que não
comprometem a qualidade dos projetos entregues pela empresa. Confira a seguir 6 dicas para economizar dinheiro
em obras e projetos de construção civil:
 
1. Monitorar dados constantemente
 
Uma grande diferença sobre ser um gerente de projetos hoje em comparação com, por exemplo, na década de 1990, são
a quantidade de dados disponíveis. Com o uso de tecnologias, é possível acompanhar de perto quase todas as métricas
importantes para o canteiro de obras, incluindo materiais, produtividade, uso de equipamentos e estatísticas
individuais de funcionários.
 
Ao observar de perto esses dados, você pode identificar áreas que são um grande dreno nas suas finanças – ou seja,
áreas que estão consumindo recursos desnecessários, sem dar o retorno desejado. Por exemplo: os trabalhadores
em campo geralmente perdem 1 hora todos os dias esperando um fornecedor externo chegar para poderem começar suas
atividades. No final das contas, isso significa que você está pagando por horas que, na verdade, não estão
sendo usadas para executar o trabalho.
 
2. Utilizar pré-fabricados e estruturas modulares
 
Essa não é uma solução viável para todos os canteiros de obras. Mas se o projeto sendo desenvolvido envolve
o uso de estruturas simples, é possível investir em peças modulares ou pré-fabricadas para isso. No final, o custo
é bem inferior quando comparado aos gastos com a construção de estruturas tradicionais, que envolvem mais
mão de obra, insumos e equipamentos. Em geral, a construção de pré-fabricados costuma ser 30% mais rápida do que 
a construção tradicional, que geralmente utiliza concreto armado e alvenaria.
 
3. Saiba quanto vale o tempo dos colaboradores
 
Quando você deve contratar uma empreiteira, e quando a própria empresa deve executar o projeto? Essa é uma questão
complicada, já que é não é difícil gastar uma enorme quantidade de recursos em ambos os casos. Encontrar o 
equilíbrio certo se resume a determinar quanto vale o seu tempo e o dos profissionais a serem envolvidos no projeto.
 
Em projetos bastante específicos ou que envolvem atividades centrais que a sua empresa não está está acostumada
a realizar, por exemplo, pode ser menos oneroso contratar uma empreiteira. No final das contas, o valor gasto pode
ser menor, já que se a sua empresa executasse, a obra poderia demorar mais e precisar de mão de obra extra, além de
correr o risco de não aplicar as melhores soluções do mercado para aquele projeto.
 
4. Compre seus próprios materiais
 
Se você contratar um empreiteiro, não permita que eles comprem os materiais da obra. Se a sua própria empresa fizer
isso, muitas vezes você encontrará opções menos dispendiosas do que as oferecidas pelo contratado. Comprar o 
material permite que você mantenha os custos sob controle através de um inventário, e você ainda pode fazer mudanças
em uma área com facilidade caso outra parte do projeto exceda o orçamento.
 
É importante dizer que nem sempre essa é a atitude correta: afinal, os empreiteiros podem saber melhor quais
materiais são os mais adequados para o projeto. Mas se você é experiente com o projeto e conhece os materiais,
assim como os contratados, assuma a liderança na tomada de decisão com materiais.
 
5. Não contrate a primeira empreiteira que aparecer
 
Por mais ocupado que você ou a sua empresa esteja, não deixe que isso interfira nas decisões de contrato para os
projetos. Em outras palavras, não deixe que a pressa e a urgência em iniciar as obras te forcem a contratar a
primeira empreiteira consultada para isso.
 
Pesquise sobre elas antes e depois de uma reunião presencial, avalie estritamente a proposta e não se conforme
apenas com o que seja “bom”. Verifique a experiência e credenciais e considere usar esses fatores como alavanca
nas negociações. Se um empreiteiro tiver menos experiência do que outros, por exemplo, você pode pressionar por
um preço mais baixo.
 
Mesmo que você goste da primeira opção que conhecer, ela podem oferecer uma proposta mais atrativa se souber que
você está avaliando outras ofertas. Como padrão, é interessante avaliar ao menos três propostas e empresas
diferentes antes de tomar uma decisão final.
 
6. Tecnologia na gestão de obras
 
A tecnologia pode ser a principal aliada na resolução de grande parte das questões dessa lista. Tecnologia não é
gasto de recursos, é investimento. Soluções de software e aplicativos móveis podem ser cruciais para a execução de
rastreamento de materiais, acompanhamento de progresso, gestão de recursos humanos e financeiros e por aí vai. Se
você já utiliza algum software para uma ou outra tarefa, talvez esteja na hora de expandir o uso de tecnologia para
todas as áreas do seu negócio – especialmente no canteiro de obras, onde os processos ainda não são otimizados para
isso e as informações são passadas de maneira informal.
 
Embora pareça contraditório desembolsar dinheiro com um software de gerenciamento para poder economizar dinheiro,
é exatamente o que ele pode ajudá-lo a fazer. A ferramenta adequada para a área de atuação da sua empresa pode
auxiliar na organização de projetos, no acompanhamento dos serviços em campo e, consequentemente, no controle do
orçamento.
  • Estrada Itacolomi, 3005 - São Vicente - Gravataí/RS