Microestacas

As Microestacas são Estacas Escavadas mecanicamente, moldadas no local e executadas com emprego de lama bentonítica, para suporte das escavações, com concretagem submersa. 
 
As Microestacas geralmente possuem diâmetro inferior a 160 milímetros, e são injetadas em várias etapas, através de um tubo de aço preparado com válvulas espaçadas ao longo de seu comprimento. Estas válvulas permitem apenas a passagem da calda de cimento em uma única direção.
 
As principais fases de execução são:
  • Escavação de poço com cerca de 2 metros de profundidade e colocação de tubo de aço (tubo-guia) para proteção do topo da escavação;
  • Escavação até a profundidade do projeto, mantendo o furo cheio de lama bentonítica a fim de estabilizar as paredes da escavação;
  • Limpeza do fundo da escavação, tratamento da bentonita e colocação da armadura;
  • Lançamento do concreto, de baixo para cima, através de tubos de concretagem;
  • Recuperação do tubo-guia;
  • Estaca pronta.
     
Os equipamentos mais utilizados no campo das Estacas Escavadas são as mesas rotativas hidráulicas. A perfuração no solo é feita por rotação:

Trado – a ferramenta usada, quando repleta de material, é levantada e automaticamente, pela força centrífuga, esvaziada;

Caçamba – processo realizado através de abertura no fundo.
 
O fluído utilizado para estabilização das paredes das escavações é, normalmente, a lama bentonítica (uma mistura de água e bentonita).
 
 
Terminada a perfuração, inicia-se a colocação da armação. Cuidados especiais são tomados para enrijecer a peça, evitando sua deformação, tais como a colocação de barras transversais.
 
Após a instalação da armadura, inicia-se a fase de concretagem submersa.

O lançamento do concreto deve ser constante, preenchendo a estaca de baixo para cima e garantindo a perfeita aderência do fuste da estaca ao terreno existente.
 
  • Estrada Itacolomi, 3005 - São Vicente - Gravataí/RS